Graças, sem graças, desgraças…

Captura de Tela 2015-11-15 às 10.05.52A vida(alguém já disse isso) é uma eterna aprendizagem, mas acredito que essa afirmação seja uma enorme mentira, ou na melhor das hipóteses, essa frase não tem sentido algum. Vejamos então em poucas palavras e/ou empiricamente se tenho ou não tenho razão (outra mentira, ter razão num mundo que sequer sabe o que é razão, até essa palavra está em desuso, ou desgastada ou esquecida, ou outra coisa qualquer, que nos foge o entendimento, ou a razão como queiram).

Mas, voltando ao tema e ao tempo, dizem as más línguas que o mundo (planeta Terra) tem cerca de 6.000.000.000 de anos (seis bilhões), e que a raça humana (a partir do homo sapiens) cerca de 300.000 anos (trezentos mil). Abro um parênteses, a mulher sapiens (sic) é mais recente, ainda não tem um ano). O tal sujeito da cruz, dizem os historiadores tem lá seus 2015 anos ou coisa equivalente.

A humanidade, em sua epopeia histórica, deriva de 23 Evas ( ou seriam mulheres sapiens(sic) (vinte e três) de acordo com os nossos DNA’s. Isso é fato e não especulação. Assim temos vinte e três famílias desde que o homus erectus, ou sapiens ficou em pé. E se tratarmos um paralelo, em nossas atuais famílias, perceberemos que as relações parentais muitas vezes são conflitantes, portanto não poderíamos esperar que as relações parentais e temporais dessas pessoas, se é que assim podemos chama-las, serem cordiais. Dessa forma como na música, “entre tapas e beijos”, a procriação humana foi exponencial, devagar enquanto sobrevivia da colheita de frutos, aumentando gradativamente após a apropriação e controle do fogo, e deslanchou com a grande descoberta que fora a agricultura. Depois desse “invento” a humanidade, começou a se assentar, e também se apropriar das terras, que julgavam ter domínio. Claro tudo isso escrito numa só página, é muito cômodo, mas à se pensar por quanto tempo essa evolução do “bicho homem” ao humano, durou, é só pesquisar nos alfarrábios. Epa, a evolução, revolução, ou involução humana foi aos trancos e barrancos seguindo seu caminho por caminhos tortuosos e desalentadores. Vejam / leiam a tal Bíblia dita Sagrada, é um livro interessante se visto e analisado criticamente sem o viés idolátrico de uma religião ou seita, ou de um dogma qualquer. Em seus muitos livros que a compõe, são inúmeros casos de incestos, mortandades, guerras, mortes simples e compostas, tudo de forma que pareça a mai
s natural possível aos olhos à quem é direcionada e da forma que “pensam” estar dogmatizando.

Nada a favor, tampouco contra, mas o que os tais “homo sapiens”, agora(naquela época) dito inteligentes, fizeram com as Bibliotecas de Alexandria? Assim, de curral em curral, quanto mais idiota for o povo, melhor é a forma de conduzi-los em e para vontade própria. Dessa forma as estatísticas, fazem e mexem-se para cá ou para lá para melhor ser para quem queira que seja melhor. Dessa forma e por tudo isso, o mundo, aos olhos da estatística maquiada está cada vez mais violento, e de manchetes em manchetes, uma desgraça (a que ocorreu em Paris), foi excelente para esconder a desgraça ocorridas em Mariana – MG, assim as novas manchetes encobertam os desmandos do Cunha, que por sua vez fazem-no esquecer das besteiras da mulher sapiens que está como plantonista, que por sua vez escondem o aumento do combustível, do aumento da cesta básica, da falta de atendimento minimamente humano dos serviços de saúde ou da falta de caráter como que aqui tratam as questões de educação e cultura. Por tudo isso a tal segurança ou a falta dela é derivada, simples e inequivocamente de fatores pontuais, que poderiam ser melhorados diuturnamente (e de noite também com diz a plantonista) se revisemos a história e nos apropriássemos dos mandos e desmandos dela decorrentes, assim certamente poderíamos ser considerados como humanos e sapiens… graças, as desgraças já vividas e revisitadas, mas para que as melhorias possam ocorrer somente com cinco coisas essas melhorias ocorrerão, que são: 1- EDUCAÇÃO; 2- EDUCAÇÃO; 3- EDUCAÇÃO; 4- EDUCAÇÃO, E 5- EDUCAÇÃO,… mas como esses temas são sem graças e não dão votos, vamos tratar de criar cadeias, que rendem mídias, e assim… ora assim,… assim caminha a humanidade.

É Só

Manéco

15/11/15

(Proclamação da República (velha))

Inferno astral, ou outra coisa qualquer…

Captura de Tela 2015-11-08 às 15.14.39

Estamos vivendo numa época de provação (estou começando politicamente correto), época de provação ou de provocação.

Se pensarmos que estamos vivendo numa época de provação, teremos que nos preparar, pois para que existam provações invariavelmente alguém esta ou estará analisando as atitudes e comportamentos e se formos premiados passaremos de uma fase para outra, ou se não formos aprovados ficaremos na mesma fase e por esse motivo nossa prova não foi aprovada (óbvio. Não?). Agora se estivermos vivendo não em uma época de provação e sim de provocação também é bastante óbvio que, à toda ação existe uma reação de igual força, mesma intensidade, só que em sentido contrário”(se não me engano essa era uma das leis de física). Assim sendo, à cada provocação, quase que certamente haverá, ao menos espero que haja uma reação contrária. Dessa forma descobrimos que e o porque de existirem pessoas reacionárias. Essas pessoas são aquelas mesmas, da lei da física, que revidara, ou revidam à certos movimentos que as atingiram, ou sejam movimentara-se ao contrário do sentido da ação, ou nesse e para esse texto, movimentaram-se em contrário à provocação.

Ora ora, estamos sendo provocados, diuturnamente e também de dia(como diz a plantonista) com atitudes algumas medíocres, outras covardes, outras maldosas, outras nefastas, em tempos em que a moral e os bons costumes, que deveriam ser as fontes do Direito, ficaram e a muito de lado, ou lá para trás que nem sequer se lembram do que é moral e bons costumes. Estamos vivendo em época revivida de olhos por olhos, dentes por dentes ( e quando o sujeito não tem dentes, a pendenga começa a ficar difícil ao menos para um dos lados) …êpa. escapei do raciocínio.

Voltando ao tema, as provocações estão sendo acintosas, e midiáticas.  A cada instante esse ou aquele cometeu certos desatinos, e certos desmandos e a sua credibilidade está balançando e quase caindo. Mas, e sempre aparece o mas, ou o então, para ter ou se conseguir uma liminar qualquer de uma instância maior que lhe dá o direito de ir ou de vir ou de receber, com ou sem coleiras, certos benesses jurídicos, e nós cá em baixo no último dos degraus dessa enorme pirâmide econômica e/ou política, ficamos só e tão somente com o ônus da palhaçada toda.(tampouco temos dinheiro para comprar as bolinhas vermelhas para se colocar no nariz)

Deixando de lado o politicamente correto, aprendi há muito que a pior das injustiças á tratar igualmente os desiguais. Assim posto, as métricas de assaltos, da roubalheira, e do mau trato da coisa pública deveria ter uma métrica maia apurada e mais restritiva. Mentir e depois dizer “desculpa foi uma mentirinha, para dar esmolas à quem são os animais do curral eleitoral, para ficar sempre com as mão nas rédeas e com dólares nas cuecas, é no mínimo crime hediondo, afinal os dólares desviados da menor à maior escala, foram subtraídos do povo pagador de impostos e desviados das atividades fins que eram (ou deveriam) pra ser para proteção, saúde e EDUCAÇÃO

Ora, se educar o cidadão agora letrado saberá quem é o menos pior e nele depositará seu voto, por isso mesmo é que o povo vai continuar à ser mal educado, com saúde precária, e todos os benesses não serão obrigação do Estado e sim um carinho, para que o desdentado, mal criado e sem educação continue à votar, à votar e à manter à manter o estado de necessidade presente, premente e permanente.

Isso tudo é mais do que privação, é provocação e não digam que há muito estão avisados… Ruy Barbosa disse lá pelos anos 20 do século passado, que “o povo que não se defende não merece defensores”….

Continuemos…

08/11/15

Manéco